TRANSPARÊNCIA E CONFIDENCILIDADE NA GOVERNANÇA CORPORATIVA

Joaquim do Amaral Braga Júnior, Otávio Augusto Pinto de Almeida, Prof. Dr. Luiz Antonio Soares Hentz

Resumo


A governança corporativa é um sistema de decisões e práticas de gestão voltadas para a determinação e o controle do desempenho e direção estratégica das corporações. Possui como objetivo principal a maximização do valor da empresa em prol dos seus investidores e demais partes relacionadas.

Ela é o resultado de anos de experiência da prática das sociedades anônimas e do mercado de capitais. Outros fatores que podem ser considerados os propulsores deste modelo de gestão são os diversos escândalos corporativos como o caso da Parmalat em que se percebeu a necessidade de uma maior relevância ao poder regulador do mercado de capital (que sofreu um forte e rápido processo de globalização) e da relação interna das sociedades anônimas.

Estamos diante, então, de um cenário que propicia uma rápida e relativamente fácil entrada dos investidores no mercado de ação (haja vista todo suporte que, por exemplo, a Bovespa proporciona àqueles que pretendem investir), só que para tanto, estes (os investidores) têm, de modo justo, exigido segurança para realizarem seus investimentos. Logo, se faz necessário existir mecanismos de controle aptos a realizarem a mediação e construir um cenário de igualdade aos acionistas e seus contratados. Sendo que a ênfase encontra-se na possibilidade de os acionistas terem conhecimento de como a administração está utilizando o dinheiro por eles aplicado.

Para melhorar a gestão da empresa e então proporcionar a desejada segurança e garantia de retornos maiores sobre os investimentos e menos percepção de risco aos acionistas e em troca conseguir destes o capital para o seu desenvolvimento e crescimento, as empresas baseiam-se nos seguintes princípios: a transparência (disclosure); o senso de justiça (fairness); a prestação de contas (accountability); o cumprimento das leis (compliance) e a ética (ethics).

Texto completo:

PDF